Terça-feira
29 de Novembro de 2022 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Previsão do tempo

Hoje - Brazlandia, DF

Máx
25ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Brazlandia,...

Máx
24ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Brazlandia,...

Máx
25ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Gama, DF

Máx
25ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Gama, DF

Máx
24ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Gama, DF

Máx
25ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Nucleo Bandeirante,...

Máx
25ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Nucleo Band...

Máx
24ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Nucleo Band...

Máx
25ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Taguatinga, DF

Máx
25ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Taguatinga,...

Máx
24ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Taguatinga,...

Máx
25ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Brasília, DF

Máx
25ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Brasília, ...

Máx
24ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Brasília, ...

Máx
25ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,38 5,38
EURO 5,59 5,59

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .

Newsletter

OFICIALAS DE JUSTIÇA SOFREM COM ASSÉDIO SEXUAL NO DIA A DIA DO CUMPRIMENTO DE MANDADOS

O assédio estrutural, moral e sexual nas relações trabalhistas tem sido alvo de atenção por parte do Poder Judiciário. Em 2020, o Conselho Nacional de Justiça aprovou a Resolução nº 351, que institui a Política de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral, do Assédio Sexual e da Discriminação no âmbito do Judiciário, trazendo o tema para perto dos órgãos públicos.   No entanto, os registros de assédio ocorrem há tempos. O mais recente e que chamou a atenção da sociedade foi o caso envolvendo o juiz substituto do TRT da 2ª Região, Marcos Scalercio, acusado de assédio sexual.   Entre os Oficiais de Justiça, além dos riscos físicos e psicológicos a que estão expostos diariamente pela função, as servidoras ainda precisam lidar com os casos de assédio sexual sofridos no cumprimento dos mandados.   Em 2016, a Oficiala da Seção Judiciária de Pernambuco, Deborah Hulak, passou por uma situação de desacato e assédio sexual enquanto cumpria uma diligência no bairro Boa Viagem. De acordo com ela, em novembro daquele ano, a mesma, por meio de contato prévio com a citanda, esteve no endereço contido no mandado com o objetivo de citar a senhora.   Ao chegar no local, o porteiro informou que a mulher não se encontrava no endereço. Deborah lembra que fez contato com a citanda e ela confirmou que não estava no local. “Ato contínuo, chegou ao condomínio o filho da citanda para quem me identifiquei como Oficial de Justiça, da Justiça Federal, e o mesmo disse saber do que se tratava, que sua mãe não pagaria nada e que eu ficasse falando sozinha”, conta.   Após, o homem subiu um lance de escadas do acesso ao hall quando virou para a Oficiala e perguntou se ela não gostaria de subir para tomar uma água e “receber uma massagem”. Surpresa com a atitude, Deborah pediu que o homem repetisse o que havia dito, momento em que ele a convidou para subir, tomar uma água e comer um sanduíche, “ao mesmo tempo em que fazia um gesto com conotação obscena”, relata.   Indignada com o ocorrido, a servidora deu a senhora como citada, retirando-se do local. Deborah conta que, imediatamente, fez contato com seu superior para informar o ocorrido. Dias depois, ela esteve na Polícia Federal onde registrou a ocorrência para inquérito criminal, a fim de que o filho da citanda fosse punido pelo assédio sexual.   A tramitação do processo sobre o caso teve início quase um ano após o fato, na 36ª Vara Federal de Pernambuco, onde foi instaurado em segredo de Justiça. Em 2019, o réu foi julgado pelo crime contra a Oficiala de Justiça e condenado à prestação de serviços comunitários na Associação de Apoio às Famílias Sem Teto de Ipojuca.   Para Deborah, apesar da lentidão na tramitação do processo criminal, a justiça foi feita, por meio da condenação do assediador. “Além do desacato verbal, ele praticou o assédio sexual já no momento em que me convidou para subir e fazer uma massagem. Infelizmente, nós Oficialas de Justiça, além de estarmos submetidas aos mais persos riscos existentes no dia a dia da profissão, ainda estamos sujeitas a este tipo de agressão e assédio, o que é inadmissível”, completa.   A Fenassojaf integra persas campanhas contra o assédio moral e sexual no Judiciário e repudia o ocorrido com a Oficiala Deborah Hulak. “É preciso que o caso ganhe destaque e seja amplamente pulgado para que situações como essa sejam denunciadas, apuradas e os responsáveis, duramente punidos”, avalia o presidente João Paulo Zambom.   “Não aceitamos nenhum tipo de assédio ou situações de agressão e desacato contra as Oficialas e os Oficiais de Justiça, servidoras e servidores e trabalhadoras/es em geral”, finaliza a vice-presidenta Mariana Liria.   Fonte: Fenassojaf
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia